sábado, 23 de fevereiro de 2008

Trocando de canal na tv, me deparei com um dos melhores filmes que já vi: Stigmata, e como eu adoro uma discussão religiosa resolvi fazer um super post sobre isso.

Vamos começar com uma definição de fé. O que seria a fé? Para mim, fé seria a capacidade de acreditar em algo, mesmo sem ter provas de que essa coisa exista, por exemplo fé em Deus, não há provas de que ele exista, a única coisa que podemos fazer é acreditar nele ou não. Uma visão simplista admito, mas prática para continuarmos o assunto.

Jesus existiu? Uma pergunta no mínimo perturbadora, não concordam? Crescemos aprendendo que Jesus nasceu de Maria, que era virgem, e que veio a terra para trazer a palavra de Deus ao mundo, mas quais as provas de que ele existiu? Um dos principais documentos é a Bíblia, o livro mais importante de todas as religiões cristãs existentes, mas o grande problema é: ela é confiável? Pense bem, um documento onde se fala como as pessoas devem agir para conseguir a sua salvação no pós-vida, seria muito fácil criar um documento que seria escrito por um suposto messias para fazer bilhões fazerem o que alguém deseje. O que não seria algo de se estranhar, pois na idade média a igreja tinha o controle sobre pessoas e reinos e para ela seria muito vantajoso um livro que fizesse as pessoas andarem na linha. Uma teoria interessante, não? Mas pensando que não, que ela realmente foi escrita pelos seguidores de Cristo, há outro problema que deve ser visto. A quantidade de traduções que já ocorreram pode ter mudado em muito alguns trechos por más interpretações e até por causa de influencias que os tradutores tiveram por quererem que estivesse escrito isso ao invés daquilo e mudado alguma parte (viés do pesquisador), o que prejudicaria e muito a credibilidade dos textos. Outro fato interessante que devemos ver é que a bíblia não foi escrita como a vemos hoje, ela é formada por diversos livros que foram escritas por pessoas diferentes, em datas diferentes até que um grupo de religiosos resolveu selecionar os textos que para eles tinham mais “influencia divina” e os juntaram num livro, o problema é que em toda seleção diversas coisas são postas de lado, mas quem diz que o que foi incluído é o certo e o excluído é o errado? Diversos textos foram excluídos e sem falar que algumas religiões usam versões diferentes da bíblia que contem alguns textos que outras não tem, o que no mínimo é contraditório. É também a o caso de textos que foram recentemente descobertos como o “Evangelho de Tomé” que foi encontrado em 1945 junto com diversos outros textos e que a igreja católica não aceita, além é claro do famoso evangelho que supostamente foi escrito por Jesus que é falado no filme Stigmata que muitos discutem se realmente existe ou não. Sabemos que diversos textos estão escondidos nos porões do vaticano e que provavelmente a humanidade nunca colocará a mão neles, pensamos que a época em que a igreja retinha a informação já passou, mas poemos ter certeza que há muita coisa escondida no mesmo lugar a séculos e que não querem que descobrimos.
Voltando a questão que Jesus existe ou não, ainda há uma hipótese que não deve ser esquecida, ele pode ter sido apenas uma pessoa normal, muito esclarecido, com o poder de ajudar as pessoas, mas nada extraordinário. Ou quem sabe ele pode ter sido alguém que teve grandes poderem como um bruxo ou alguém dotado de poderes mentais ou algo parecido, o que poderia explicar os supostos “milagres”, mas claro que mesmo se isso fosse verdade não podemos esquecer o fato que ele foi uma pessoa boa, que ajudou milhares e que deixou uma lição de paz para o mundo de hoje, existindo ou não.

O que não podemos negar é que a fé move montanhas, a influencia de religiões na história do mundo é incrível, elas mataram heróis, derrubaram reis, mataram deuses e mudaram vidas de diversas formas possíveis. Mas o que a humanidade vê nas religiões? O que facina tanto o homem? Talvez seja a necessidade de ter alguém que controle nossas vidas ou a busca de um sentido para elas. Freud dizia que a religião era a neurose compulsiva obsessiva da humanidade, é um pouco exagerado, mas devemos concordar que a humanidade tem essa obsessão pelas religiões, a facinação por milagres e tudo mais, não que isso seja algo ruim, pelo contrario, considero isso algo muito valioso. O pensamento de que há algo maior do qual nos fazemos parte é um sentimento bonito, não importando se falamos de um Deus, uma energia mística que governa o mundo ou talvez até nada, devemos buscar a explicação que melhor nos encaixamos e acreditar nela.


Eu pessoalmente acredito em Deus como uma energia criadora, não penso que ele é um ser egocêntrico e vingativo que, se não rezarmos para ele todo domingo nos mandara queimar no inferno. Acredito que ele seja uma energia que possui tudo, tanto o bem quanto o mal, pois o mundo necessita de um equilíbrio e acredito que nada é 100% alguma coisa ou outra. A questão de acreditar em Jesus ou não é irrelevante para mim, talvez ele tenha existido, talvez não, para mim não faz diferença. Acho bonita a história de amor e doação dele, pois mesmo se ele não existiu, ficara provavelmente para sempre na história. Não estou aqui para impor uma verdade e não pensem que o que está aqui e tudo em que acredito, apenas trancrevi diversas duvidas para reflexão que penso já ter passado pela cabeça de diversas pessoas aqui. Sendo assim não estou desmerecendo nenhuma crença de vocês leitores, se sentiram-se ofendidos, minhas desculpas.

Refletindo sobre tudo isso penso que é desnessessario e principalmente invialvel provar se Deus existe ou não, cada um deve cria a sua realidade de crenças e seguir ela. Não devemos destruir e nem desmerecer uma ou outra por descordar da nossa, não podemos pensar que somos melhores que os outros por acreditarmos nisso ou naquilo, pois se foi Deus que nos criou, ele nos fez todos iguais a sua imagem e semelhança, somos todos seres divinos que merecem respeito pelo que somos, criamos e acreditamos.


-----------------------------------------

(fontes: Wikipedia, Super Ineressante, Yahoo Respotas, meu caderno de história da psicologia)

p.s: A discução sobre os estigmas irei deixar para um próximo post para não deixar este muito cansativo.

3 comentários:

Thierry disse...

estudo psicologia.
em todas aulas quando religiao entra em pauta me calo e espero o sensacionalismo e as discusssoes passarem.

Thierry disse...

www.meusquadrinhos.blogspot.com
(caso vc queira responder)

maggyzinhaap disse...

Pô... tu tinha dito que ia deixar os estigmas para outro post pra não deixar esse cansativo?!?!?!?! olha o tamaaaanho desse trem! heehe!!!

to brincando, gurizinho.

A tua redação está ficando muito boa, mas ainda tem que atentar ao português e à ACENTUAÇÃO, ok?

te cuida! bjoks!